PUBLICIDADE

Rio de Janeiro / Cotidiano

Esperar para que?

Foto: divulgação

Por: Débora Máximo, influenciadora digital 

Pera aí! Eu já vou! Só um minutinho! Daqui a pouco eu faço, fazemos assim te prometo que de amanhã não passa! Ops! Você já se pegou falando algumas dessas frases? Quem nunca atira a primeira pedra. Deixar para depois algo que você pode fazer agora é mais comum do que se imagina e frases como essa, muitas vezes são desculpas para adiar aquilo que não é prioridade e que talvez seja desinteressante ou não trás nenhum tipo de prazer em fazer, normalmente não existe nenhuma motivação por trás. Vamos dar nomes aos bois? Essa desconexão entre o que pretendemos realizar e aquilo que efetivamente realizamos se chama procrastinação. Você pode achar que isso é normal e tudo bem se for postergar em levar o copo na cozinha por estar cansada do longo dia de trabalho. O problema está em deixar para depois coisas que às vezes não enxergamos como prioridade ou não visualizamos o nível de resultado prejudicial ao nosso destino. 

Quem está acostumado a fazer esse tipo de escolha está destinado a não ter sucesso naquela área onde atua a procrastinação. Muitas vezes a pessoa pode ser bem-sucedida no trabalho, mas está sempre adiando um curso de atualização, uma hora ou outra alguém que não procrastinou tomará o seu posto. Isso pode acontecer nos relacionamentos também, aquele papo que sua esposa, marido ou filho queria ter com você e não deu por algum motivo, acumulou e o deixou para depois pode não ter a segunda chance. A verdade é que o nosso cérebro tem dificuldade de avaliar consequências a longo prazo e é mais sensível aos resultados rápidos. As recompensas e respostas imediatas nos distraem afastando da meta desejada resultando em stress, sensação de culpa, perda de produtividade e vergonha em relação aos outros, por não cumprir com as suas responsabilidades e compromissos. 

A maior maluquice da vida é esperar que algo mude sem que você faça algo para mudar, muitas vezes fazemos isso. Não fazemos o que de fato deveríamos fazer e esperamos que o outro faça aquilo que na verdade é de nossa responsabilidade ou interesse. Como se as coisas caíssem do céu! Escutei um exemplo ótimo disso a pouco tempo. Imagina que você está sozinho em casa e caminha até a geladeira procurando algo gostoso para comer e ao abrir a porta se dá conta que não tem o que procura então, senta no sofá passa algum tempo se levanta novamente para voltar a geladeira, como se em um passe de mágicas pudesse aparecer um pudim delicioso. Eu já fiz isso algumas vezes e sinceramente o que esperamos em abrir a segunda vez a geladeira? Que alguém faça aquilo que você poderia e tem total capacidade de fazer. É um exemplo que talvez não traria nenhum problema para sua vida, pelo contrário até poderia ajudar a perder uns quilinhos, mas a realidade é que a procrastinação é falta de responsabilidade, prioridade e compromisso. É imaturidade nas escolhas, deixando para depois e trocando a responsabilidade por distração ou preguiça.  Procrastinação é sinônimo de improdutividade, fazendo com o que o indivíduo corra riscos de esquecer de fazer, ou de não dar tempo depois e ter prejuízos em sua vida não alcançando o objetivo e gerando frustração. Nosso cérebro é incrível e tem grande capacidade de se modificar e para mudar um hábito precisa de processo. Comece listando suas prioridades e ao listá- las como família, trabalho, saúde. Certifique-se de que suas prioridades estão realmente alinhadas com seus objetivos e sua realidade. Para alcançar um bom cargo precisa ter boa saúde física e talvez no topo de sua ordem de prioridades você precise colocar, cuidar da saúde, essa lista é variável. Se tem alguma tarefa que você não gosta de fazer por algum motivo, não deixe para última hora, procure criar estratégias que te ajudem a priorizar essa atividade. Coloque essa tarefa junto de atividades agradáveis ou pode também estabelecer um horário específico do dia para realizá-la. Crie metas e estabeleça uma rotina de trabalho que permita ir construindo o trabalho pouco a pouco. Assim não fica tanto tempo trabalhando na mesma coisa e divide o esforço ao longo dia, ao atingir pequenos objetivos o cérebro tem a sensação de progresso e fica motivado a continuar o processo.   

 

O caminho trilhado é construído a partir das nossas escolhas e tudo isso determina nosso destino.