PUBLICIDADE

Rio de Janeiro / Saúde

Implantes subcutâneos

Foto: divulgação

Por: Dra. Mariana Kessel

Muito se fala sobre reposição hormonal, mas poucos ainda conhecem a terapia de reposição hormonal por implante subcutâneo. A terapia de reposição hormonal por implante subcutâneo é um conceito atual de manutenção de saúde e bem-estar. Introduzidos na medicina na década de 40 os implantes hormonais estão sendo utilizados progressivamente e pesquisas subsequentes visam otimizar seus benefícios gerando cada vez menos desconforto ao usuário.

A técnica utilizada é a punção percutânea com trocarte específico e introdução de hastes siliconadas preenchidas por hormônio indicado, sendo a dose e composição individualizada para cada paciente a partir da avaliação médica.

Com relação aos benefícios agregados ao método é importante ressaltar que o implante hormonal apresenta liberação gradual e contínua durante o período de tratamento estabelecido, conferindo ao paciente a dose necessária para atingir níveis hormonais conforme definidos para manutenção da saúde e bem estar.

Dentre os hormônios utilizados a gestrinona é o de maior indicação clínica no público feminino e de maior adesão por conta do efeito anticonceptivo associado. A  gestrinona é um 19-nor-esteróide, com ação anti-estrogênica e anti-progesterona. Utilizada inicialmente por via oral para tratamento da endometriose e miomatose, observa-se efeito anabolizante e hemostático o que conferiu indicação da mesma para o tratamento de anemia.

Sobre a forma de implante a gestrinona, assim como os demais hormônios, oferece a vantagem de não sofrer efeito de primeira passagem e ser liberada gradual e continuamente ao longo de 12 meses conferindo, durante este período, bloqueio da menstruação e ovulação. A gestrinona tem excelente indicação ainda para controle da TPM, da adenomiose, diminuição da libido, perda de massa muscular e óssea. Seus efeitos colaterais estão relacionados ao efeito androgênico, e a paciente será sempre esclarecida sobre estes.

Em pacientes menopausadas, com espessamento endometrial ou perda de massa óssea, a gestrinona confere boa opção terapêutica associada ao estradiol.