PUBLICIDADE

Rio de Janeiro / Saúde

Rio libera lotação máxima de cinemas, casas de festas e shoppings

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, assinou decreto permitindo a lotação máxima em locais como teatros, cinemas, circos, museus, shoppings, casas de festas e espaços de eventos, parques de diversão, zoológico e outros espaços. É mais um passo adotado pelo município que vem flexibilizando as medidas restritivas adotadas para o combate à pandemia de covid-19. A obrigatoriedade do uso de máscara em todos esses espaços será mantida.

O decreto, porém, manteve a proibição de boates, danceterias e salões de dança. E jogos com público podem ter até 50% da capacidade do estádio ou do ginásio.

Segunda etapa no dia 26

A liberação de 100% da capacidade nesses locais é a primeira etapa de um plano mais amplo de reabertura. A segunda fase, a dispensa do uso de máscara na rua, está prevista para o dia 26 , após a cidade completaro ciclo vacinal em 70% da população..

“A gente está entrando na oitava semana de queda sustentada de casos, o melhor cenário epidemiológico desde o início da pandemia. Se Deus quiser, a gente caminha para o fim da pandemia na cidade do Rio. E a gente espera que no Brasil”, disse o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, nesta segunda-feira (18), em entrevista  ao Bom Dia Rio, afirmou que até lá a cidade terá c

Soranz explicou ainda que a vacinação em outros municípios do estado também está avançada. “A gente tem um máximo de 10% de variação entre os municípios e a capital. A gente considera que isso é seguro para retomar nossas atividades”, falou.

O secretário Daniel Soranz: afrouxando as restrições (Foto: Reprodução)

“A tendência de queda é mantida. A cada dia, a gente tem mais segurança para dizer: ‘Sim, é possível a gente ir retomando. Sim, daqui a uma semana vai ser possível retirar as máscaras em locais abertos.”

Soranz pediu ainda uma especial atenção a quem ainda não se vacinou. “Ainda é muito triste porque a gente vê pessoas sendo internadas que não tomaram nenhuma dose. O que cada um pode fazer é tentar identificar alguém que não se vacinou e ajudar a convencê-lo”, disse. “Essa busca ativa é fundamental.”

Foto: ABr