PUBLICIDADE

Estado / Rio de Janeiro

Saquarema: a capital nacional do surfe

Saquarema é conhecida como a ‘Capital Nacional do Surfe’, com 28 quilômetros de praias de areias finas e o mar forte que atrai surfistas de todo o país e até do exterior. Em direção ao mar, as dunas de Saquarema guardam vestígios de povos primitivos que habitaram a região há 4520 anos.

No Império, Saquarema foi símbolo da elite conservadora, com trabalhadores escravos nas fazendas de café. Hoje, a cidade, na chamada Região dos Lagos do Rio, está menos sisuda, com astral mais jovial. Tornou-se referência no surfe nacional e já sediou etapas do circuito mundial da modalidade.A maioria das pousadas está na Praia de Itaúna, a mais movimentada da cidade, onde quebram as melhores ondas.

Entre as atrações, destaque para o Museu do Sambaqui da Beirada, onde é possível conferir a maior exposição arqueológica a céu aberto da região.  De lá, vê-se a praia e a majestosa igreja de Nossa Senhora de Nazareth encravada ao fundo, sobre o penhasco, manchada da espuma das ondas.

Igreja Nossa Senhora de Nazareth

Finalizada em 1837 e majestosamente erguida sobre um penhasco, a Igreja Nossa Senhora de Nazareth, ou Igreja da Matriz, é um dos cartões-postais da cidade. Conta-se que, depois de uma violenta tempestade no ano de 1630, pescadores de Saquarema teriam encontrado a imagem de Nossa Senhora de Nazareth, protetora dos navegantes, em uma rede de peixes. Recolhida à casa de um deles, a estátua teria reaparecido misteriosamente no rochedo. O desfecho dessa história deu-se com a construção no local de uma igreja em homenagem à santa, em pedra e cal. Considerado um dos primeiros templos erguidos em devoção à Santa Nazareth, a Igreja possui nave única e um corredor lateral junto da torre sineira. Ao fundo fica o Cemitério Municipal, que abriga em uma pequena capela a imagem da virgem achada pelos pescadores.

Casa de Cultura de Saquarema

Construída no século XIX, foi a primeira sede da Câmara Municipal, e prefeitura da cidade de 1841 até 1978. Possui uma exposição permanente do acervo do escritor e crítico de arte, Walmir Ayala, que morou em Saquarema. No espaço funciona a Biblioteca Municipal José Bandeira, com acervo de mais de 20 mil títulos. Seu nome é uma homenagem ao poeta José Bandeira, que compôs o Hino de Saquarema. No local há ainda o Teatro Mário Lago, com capacidade para 162 pessoas e programação cultural variada. No complexo cultural também acontecem cursos de pintura e artesanato.

Templo do Rock

O Templo do Rock é uma homenagem ao cantor Serguei, personalidade da região dos lagos e que morava em Saquarema. Serguei é considerado uma lenda do rock brasileiro e precursor do visual andrógino em shows. Uma curiosidade sobre Serguei, é que ele foi considerado em 1973, o pior cantor do ano. O templo abriga peças de roupas, prêmios, livros, discos e diversos outros pertences pessoais do cantor.

Feira Cultural de Saquarema

A Feira Cultural de Saquarema reúne artistas, artesãos, pescadores e agricultores que divulgam a cultura local, produtos regionais e incrementam o agronegócio no município. Cerca de 40 barracas são montadas com artesanato, comidas típicas e produtos agropecuários. Também acontecem mostras de literatura, artes plásticas e turismo.

Mirante do Morro da Cruz

O Mirante do Morro da Cruz possui vista espetacular, com um belo pôr do sol. De lá podem ser apreciadas três das grandes lagoas que compõem a lagoa de Saquarema. Também é possível admirar as serras da região. No Mirante encontra-se uma cruz metálica com 15 metros de altura, em memória da primeira missa celebrada no Brasil. O Mirante fica no Morro do Cruzeiro, a 2 km do centro da cidade.

Cachoeira Tingui

A cachoeira Tingui é uma das mais visitadas de Saquarema. É formada por um complexo de pequenas cachoeiras, que contam em seu entorno com bares, restaurantes e acomodações para pernoite. Fica no distrito de Sampaio Correia.

 Lagoa de Saquarema

A Lagoa de Saquarema é utilizada para prática de esportes náuticos e tem cerca de 17 quilômetros de extensão.

Praia de Itaúna

A praia de Itaúna, apelidada de “Maracanã do surfe”, tem ondas que chegam a três metros de altura e extensão de dois quilômetros. É margeada por casuarinas e vegetação rasteira, e ali acontecem importantes competições de surfe nacionais e internacionais. Apesar do mar forte, famílias dividem espaço com as pranchas na Praia da Vila, cheia de quiosques e bares ao longo da orla.

Prainha

Localizada no centro da cidade, entre as praias da Vila e Itaúna, a Prainha encanta por ser uma praia pequena, cercada de pedras.

Praia de Massambaba

Localizada em área de preservação ambiental e possui cerca dez quilômetros.

Praia de Jaconé

Com cerca de sete quilômetros de extensão, tem pedras próximas à arrebentação que atraem peixes e oferecem condições para a pesca esportiva.

Fotos: Reprodução